HORA   08:53

24/01/2014

Visualizações 735


Maior fornecedor de cocaína da Paraíba movimentava o tráfico durante regime semiaberto

Maior fornecedor de cocaína da Paraíba movimentava o tráfico durante regime semiaberto

O apenado Gilson Marques Madureira, conhecido como ‘Gilson Beira Mar’, foi preso na noite desta sexta-feira (24), durante a ‘Operação Medellin’ desencadeada pela Polícia Civil da Paraíba e Secretaria da Administração do Estado (Seap). Gilson é considerado o maior fornecedor de cocaína da Paraíba.

Conforme consta nas investigações policiais, “Beira Mar” cumpre pena no regime semiaberto na Penitenciária de Segurança Média Juiz Hitler Cantalice, na Capital, porém, passava o dia em liberdade movimentando o tráfico de drogas. Vídeos gravados pelo serviço de inteligência da Seap flagraram as ações criminosas do apenado.

Durante três meses, os agentes de investigações da Delegacia de Repressão a Entorpecente (DRE) da Polícia Civil desenvolveram os trabalhos “de rua” e os agentes penitenciários da gerência de inteligência o sistema penitenciário (Geplasi) desenvolveram as ações dentro da unidade prisional, conforme atestou Wallber Virgolino, secretário de Administração Penitenciário da Paraíba.

Segundo Wagner Dorta, superintendente da 1ª Região de Polícia Civil, a prisão é importante e constitui a continuidade do trabalho que iniciamos no ano de 2011 na cidade de Campina Grande, quando coordenamos as ações de prisão de “GILSON BEIRA MAR” com cerca de R$ 1 milhão em joias, provenientes de crimes patrimoniais. O secretário Wallber Virgolino declarou que há outras ações sendo desenvolvida em parceria com a Polícia Civil e a Polícia Militar, porém todas caminham em sigilo.

Gilson Marques Madureira ganhou notoriedade no mundo criminoso como o gerente logístico de ações criminosas contra instituições financeiras dos estados no Nordeste. Ele já cumpriu pena no Presídio Federal de Mossoró-RN. O apenado deverá responder aos crimes de tráfico de drogas e associação para o Tráfico artigos 33 e 35 da Lei 11343.2006, podendo ser condenado a até 25 anos de prisão em regime fechado.

Fonte: Portal Correio / Bayuexjovem


Comentários